De TUDO QUE VI em Bath, as termas romanas são impressionantes: no meio da cidade, em composição com o conjunto arquitetônico e resultado de escavações. A cidade, que é Patrimônio Histórico, tem um padrão de construção que a torna quase toda cinza, mas cheia de vida e com boas atrações.

A nossa visita a Bath durou menos tempo do que gostaríamos, mas aproveitamos cada minuto. A cidade não é grande e com certa agilidade conseguimos ver tudo o que tínhamos mapeado e um pouco mais. Passamos uma temporada em Oxford e conseguimos uma excursão que incluiu essa cidade e uma parada em Stonehange, que é outro impressionante atrativo turístico do Reino Unido.

Uma vista geral de Bath, com os seus prédios que usam um só tipo de pedra

Uma vista geral de Bath, com os seus prédios que usam um só tipo de pedra

Chegamos no final da manhã e saímos no final da tarde de um sábado de dezembro. É um período frio, mas a cidade fica enfeitada para o Natal. Um traço característico de Bath, que é Patrimônio Histórico, é que seus prédios só podem ser feitos usando o mesmo tipo de pedra, o que a torna quase toda cinza. Por isso, a decoração natalina a deixa com luzes e cores especiais.

Cena curiosa: parece que o Papai Noel está perdido em Bath

Cena curiosa: parece que o Papai Noel está perdido em Bath

A cidade é antiga e tem uma história rica. Fundada no ano 43 da era Cristã, foi depois dominada e integrou o Império Romano, que implantou nela uma estância de águas termais, aproveitando três nascentes.

Depois de séculos, as escavações identificaram o local onde funcionou esse SPA romano, que virou um museu, com muitos objetos da época e piscinas, que só podem ser vistas e fotografadas, mas não usadas para banho. Para aproveitar as águas termais, desde 2006 existe o Thermae Bath Spa.

Colunas romanas integram a fachada das termas que foram descobertas após escavações

Colunas romanas integram a fachada das termas que foram descobertas após escavações

Piscinas das termas romanas e objetos encontrados nas escavações

Piscinas das termas romanas e objetos encontrados nas escavações

O prédio dos banhos romanos é imponente e do terraço há vistas panorâmicas, a começar pela imponente Abadia, bem ao lado, que é linda e é uma das principais referências da cidade. Foi restaurada em 1616 e está assim conservada até hoje. Para uma boa vista da cidade e dos arredores, pode fazer o tour até a torre, subindo mais de 200 degraus.

A abadia de Bath vista do terraço panorâmico das termas

A abadia de Bath vista do terraço panorâmico das termas

Os romanos deixaram as suas marcas arquitetônicas em pontes, anfiteatros, aquedutos e em muitos prédios. Na ponte Pulteney, sobre o rio Avon, uma curiosidade: essa é uma das quatro pontes no mundo com lojas ao longo da sua extensão.

A ponte sobre o rio Avon com lojas em toda a sua extensão

A ponte sobre o rio Avon com lojas em toda a sua extensão

ATRAÇÕES DE BATH

Além da ponte Pulteney, dos banhos romanos e da Abadia de Bath, há mais atrações. Em dezembro, quando estivemos lá, as ruas com enfeites e as feirinhas natalinas deram um clima de festa e são ótimas oportunidades para provar sabores locais e comprar lembranças artesanais.

Um tour panorâmico pode ser feito a bordo do ônibus de turismo em sistema hop-on hop-off, que pode descer e subir várias vezes. Mas o nosso guia nos levou a pé, num giro pelo centro e arredores. Depois foi por nossa conta. O ponto mais distante foi até o The Royal Crescent, outro importante símbolo da cidade. São 30 casas que formam um semi círculo, em estilo de arquitetura georgiana, construídas entre 1767 e 1775. São, de fato, prédios espaçosos. Um deles é um hotel, outro é um museu, que retrata o período em que houve essa construção, e assim por diante.

Bath Crescent

O estilo georgiano refere-se ao período em que o rei da Grã Bretanha era George I, mas também à época de alguns de seus sucessores. Como não está distante de Londres, Bath reunia a alta sociedade, principalmente como ponto de encontro em finais de semana.

O estilo georgiano também pode ser visto no Circus, conjunto de prédios que formam um círculo, com uma praça central, perto da Royal Crescent. Foi inspirado no coliseu romano. Visto de cima lembra uma chave, símbolo da maçonaria, com forte presença histórica na cidade.

Outros pontos de visitação:
Salões de eventos de Bath (The Bath Assembly Rooms) – local de banquetes e espaço para dança dos aristocratas. Projetados pelo mesmo arquiteto do Royal Crescent, John Wood.

Museu da Moda – o Fashion Museum fica no térreo do Assembly Rooms e tem exposição de vestidos de várias épocas e de várias partes do mundo.

Centro Jane Austen e Casa de Jane Austen – é uma mostra do estilo de vida em tempos de regência, a influência da época na sua obra.

É isso. Fomos de Oxford, passando antes em Stonehenge. Mas de Londres são 185 quilômetros pela rodovia M-4. E chega de trem, o mais prático sistema de transporte.

 

LEIA TAMBÉM: posts relacionados

O Reino Unido a partir de Londres

O castelo de Edimburgo e muito mais